03/06/2021 07:00:00

Cultura Ágil: os benefícios desta abordagem para seus negócios

Dê adeus ao microgerenciamento e aos processos emperrados. Descubra como a Cultura Ágil pode melhorar (e muito) sua rotina de trabalho.

Com a transformação digital nas organizações, novas habilidades estão sendo exigidas no mercado de trabalho. Você já deve ter lido sobre a importância das soft skills, mas uma competência em especial se destacou no relatório Jobs of Tomorrow de 2020, do Fórum Econômico Mundial.

O documento reúne 96 profissões do futuro, divididas em sete categorias: vendas, marketing, saúde, dados, cloud computing, desenvolvimento de produtos, economia verde e pessoas e cultura. Apesar de pertencerem a grupos bem distintos, todas elas exigem o domínio de metodologias ágeis.

Estes métodos fazem parte de um movimento maior, o da Cultura Ágil. Hoje, se uma empresa não acompanha este fenômeno, ela corre sérios riscos de ser suprimida pelas mudanças tecnológicas, que estão cada vez mais aceleradas.

Neste artigo, você conhecerá o que é a Cultura Ágil, seus princípios e quais os benefícios que ela traz para uma organização. Boa leitura.

✉️ Receba de graça uma seleção semanal de artigos sobre negócios, tecnologia e carreira. É só preencher o formulário abaixo:

O que é Cultura Ágil

A Cultura Ágil é um conjunto de ideias, comportamentos e práticas sociais que se disseminou no meio empresarial após a transformação digital. Ela se utiliza de uma série de metodologias para garantir rapidez na inspeção, adaptação, correção e entrega, atendendo as demandas do cliente e do negócio.

A qualidade não é deixada de lado em detrimento da velocidade. A satisfação do cliente é prioridade, por isso os métodos ágeis são empregados para oferecer entregas contínuas que agreguem valor.

O ambiente de trabalho que promove a Cultura Ágil se baseia em valores como a cooperação e colaboração, maior horizontalidade na hierarquia e otimização de processos. Ainda, a comunicação entre os membros da equipe é constante e dinâmica, permitindo um trabalho com divisões claras de etapas.

O Manifesto Ágil

Métodos ágeis estão presentes no mercado e na indústria desde a década de 1950, como na Toyota, que desenvolveu um sistema próprio de produção a partir do conceito Just-in-Time (JIT).

Entretanto, eles ganharam força em 2001, com a publicação do Manifesto Ágil. Entre os dias 11 e 13 de fevereiro, dezessete desenvolvedores de softwares se reuniram em Utah para discutir a burocratização dos processos e a verticalidade do sistema.

Entre eles estavam Ken Schwaber e Jeff Sutherland, criadores do método Scrum; Alistair Cockburn, inventor da Metodologia Ágil Crystal; e Ward Cunningham, criador do conceito wiki.

O Manifesto Ágil tem 4 valores básicos e 12 princípios, que norteiam a Cultura Ágil até hoje.

Em resumo, os 4 valores do Manifesto Ágil são:

  1. Indivíduos e interação entre eles mais que processos e ferramentas;
  2. Software em funcionamento mais que documentação abrangente;
  3. Colaboração do cliente mais que negociação de contratos;
  4. Responder a mudanças mais que seguir um plano.

Já os 12 princípios que inspiram a Cultura Ágil são:

  1. Satisfação do cliente;
  2. Mudança em favor da vantagem competitiva;
  3. Prazos curtos;
  4. Trabalho em conjunto;
  5. Ambientação e suporte;
  6. Falar na cara;
  7. Funcionalidade;
  8. Ambiente de sustentabilidade;
  9. Padrões altos de tecnologia e design;
  10. Simplicidade;
  11. Autonomia;
  12. Reflexões para otimizações.

Benefícios da Cultura Ágil

Como o nome já diz, a Cultura Ágil envolve as práticas de todo o ambiente organizacional. No dia a dia, as equipes dos diferentes setores da empresa sentem estes benefícios:

  • Maior autonomia: a partir da definição das metas, os colaboradores decidem como organizarão suas pautas e resolverão os problemas em questão. Eles tampouco precisam de aprovação dos gestores do alto escalão para tomar decisões e seguir em frente;
  • Maior engajamento: a autonomia leva a um maior envolvimento da equipe nos projetos em comparação com as culturas organizacionais tradicionais, baseadas na hierarquia e no controle;
  • Compartilhamento de visão e valores: a Cultura Ágil encoraja os colaboradores a se colocarem no lugar dos clientes. Já os líderes ágeis deixam o microgerenciamento de lado e apostam no desenvolvimento de uma visão confiável e motivadora, compartilhando com a equipe os valores do negócio;
  • Maior satisfação do cliente: por promover entregas rápidas e otimizações constantes, a Cultura Ágil resulta no encantamento dos clientes;
  • Incentivo à comunicação horizontal: em contraposição às organizações convencionais, cujos processos são definidos pela diretoria, na Cultura Ágil as equipes atuam de forma colaborativa e tomam decisões em níveis inferiores da empresa. Isso estimula a troca de conhecimento e ainda dá agilidade para a resolução de problemas;
  • Estímulo ao feedback: uma empresa que segue a Cultura Ágil estimula os times a refletirem constantemente sobre a forma como trabalham e como tornar processos mais eficientes. Isso estimula o feedback entre os colaboradores, que apontam uns para os outros quais atividades podem ser otimizadas.

Os benefícios da Cultura Ágil ajudam profissionais das mais diferentes áreas de atuação a se adaptarem ao futuro do trabalho, que demandará habilidades comportamentais bem desenvolvidas dos trabalhadores.

Descubra quais profissões deixarão de existir e quais irão surgir até 2030.

Onde os métodos ágeis podem ser aplicados?

Apesar do movimento ter se iniciado entre os desenvolvedores de software, a Cultura Ágil está presente em organizações dos mais diferentes segmentos, de fabricantes de brinquedos a farmacêuticas. LEGO, Sony, Itaú e Aché são alguns exemplos de multinacionais que incluíram métodos ágeis no dia a dia.

Mas as mudanças não foram feitas da noite para o dia. A Cultura Ágil leva tempo para se estabelecer dentro de uma empresa, pois é necessário adquirir conhecimento para iniciar esta transformação organizacional – e, ao terminar este artigo, você deu o primeiro passo para melhorar o seu trabalho.

sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista, historiadora e analista de conteúdo da Pós PUCPR Digital.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Próximo conteúdo

7 exemplos de design thinking que são lições de inovação

Dê adeus ao microgerenciamento e aos processos emperrados. Descubra como a Cultura Ágil pode melhorar (e muito) sua rotina de trabalho.

Tempo de leitura

3 min