30/08/2021 07:00:00

O que é um serious game, uma das estratégias mais poderosas de gamificação

Apesar do nome, eles podem (e devem) ser divertidos. Descubra o que são os serious games e quais benefícios eles trazem para empresas e escolas

🟣 Aproveite a alta demanda por especialistas em gamificação no meio educacional e corporativo. Garanta sua vaga no curso Gamificação, Engajamento e Marketing Digital da Pós PUCPR Digital.

Quero fazer a pós em Gamificação, Engajamento e Marketing Digital

Já faz alguns anos que a indústria dos games trocou a skin de cavaleiro medieval para a do executivo de sucesso. Pudera, o inventário deste personagem não para de crescer: em 2020, o setor movimentou US$ 165,9 bilhões mundialmente, 60% mais que o volume das indústrias de cinema e música juntas. No Brasil, foram US$ 1,6 bilhão em 2019, de acordo com a Newzoo.

O número de desenvolvedores nacionais também acompanha o crescimento do mercado. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais (Abragames), o país tem 375 empreendimentos do tipo. Além de criarem jogos para entretenimento, as empresas atendem à demanda dos meios corporativo e educacional por serious games.

Para você ter uma ideia da importância deste tipo de jogo no mercado, praticamente 50% dos jogos desenvolvidos no Brasil em 2017 eram serious games, segundo o II Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais (IBJD). Das 227 empresas que participaram do levantamento, 126 desenvolvem exclusivamente serious games, o que representa 55% da amostra.

Deu para perceber que os jogos sérios são um dos pilares da indústria dos games, não é mesmo? Se você pensa em adotar estratégias de gamificação na sua empresa ou desenvolver o seu próprio jogo, é preciso conhecer o conceito de serious games e entender os seus benefícios. É o que você aprenderá a seguir.

O que é um serious game?

Um serious game é um jogo desenvolvido com um propósito educacional, sem ter a função primária do entretenimento – o que não quer dizer que não possa ser divertido, segundo Clark Abt. De forma geral, ele possui um objetivo claro, tem um enredo e envolve competição e recompensas.

Apesar do termo ter se popularizado com a ascensão da indústria do videogame nos últimos anos, um jogo sério não precisa ser digital para alcançar os seus propósitos. Professores que utilizam papel e caneta em sala de aula para lançar um desafio aos alunos, por exemplo, já estão usando estratégias de gamificação para potencializar o aprendizado. Os jogos de tabuleiro são outro exemplo significativo.

Os serious games são bastante usados como ferramentas de ensino por facilitarem a comunicação de conceitos, além de criar um espaço aberto ao feedback ágil. Eles também ajudam pessoas de todas as idades a desenvolverem atitudes e competências para lidarem com situações reais.

Hoje, os principais segmentos dos jogos sérios são:

  • Jogos digitais educacionais: voltados ao aprendizado e desenvolvimento de habilidades na educação básica e no ensino superior;
  • Jogos digitais para saúde: criados para promover a saúde e o bem-estar dos usuários, na prevenção e no tratamento de doenças;
  • Jogos digitais para formação profissional: jogos e simuladores para negócios, corporações e organizações. Têm o objetido de facilitar e reduzir custos com treinamento;
  • Jogos digitais para a defesa: destinados ao treinamento militar e de segurança;
  • Advergames: jogos desenvolvidos para divulgar uma marca ou produto;
  • Games for change: jogos desenvolvidos para promover a inclusão social e empoderamento. Geralmente dependem de políticas públicas, pesquisas e doações institucionais para serem criados.

Gamificação e serious games: qual a diferença

Enquanto um serious game é um jogo que não tem como principal objetivo o entretenimento, a gamificação é o processo de aplicação das estratégias dos jogos nas atividades do dia a dia, com o objetivo de aumentar o engajamento dos participantes. Saiba mais sobre o conceito de gamificação.

Os benefícios dos serious games no aprendizado

Os jogos sérios são ótimas ferramentas de aprendizado para todas as faixas etárias, em contextos educacionais e corporativos. Segundo mapeamento do GEDIGames da USP, os benefícios dos serious games são:

  1. Desenvolvimento do raciocínio lógico e de solução de problemas;
  2. Melhora em funções cognitivas;
  3. Maior controle sobre o próprio aprendizado;
  4. Rompimento de preconceitos com determinadas disciplinas, como matemática;
  5. Personalização do serious game de acordo com a necessidade do aluno, se o jogo for digital;
  6. Testar decisões e estratégias em ambientes seguros;
  7. Feedbacks instantâneos;
  8. Maior motivação e engajamento dos participantes.

Exemplos de serious games

Os mais diferentes jogos sérios são lançados todos os anos. Os 6 exemplos de serious games abaixo são os ganhadores da medalha de ouro da Serious Play Conference, evento internacional realizado desde 2009 para promover o game-based learning.

Merchants

  • Categoria: corporativo/habilidades vocacionais
  • Estúdio: Gamelearn

Este serious game é na verdade um curso online de negociação, que simula situações reais em que o colaborador precisa resolver conflitos.

Pizza Xpress

  • Categoria: corporativo/habilidades vocacionais
  • Estúdio: MPS Interactive Systems

O jogo trabalha as habilidades necessárias para gerenciar uma pizzaria. Os participantes experimentam diferentes situações que podem acontecer em um restaurante de maneira segura.

Brave to the Sea

  • Categoria: corporativo/habilidades vocacionais
  • Estúdio: Expansão – Experiências de Aprendizagem

Voltado para organizações que estão passando pela transformação digital. A história se passa em um ambiente náutico, onde os jogadores precisam lidar com transformações exponenciais.

smokeSCREEN

  • Categoria: Saúde
  • Estúdio: Play2PREVENT

Voltado para adolescentes, o serious game aborda a desinformação sobre o tabagismo e o vaping. Os jogadores passam por 10 fases e enfrentam situações que os ajudarão a compreender o poder de dizer "não".

Engage with Older Adults

  • Categoria: Saúde
  • Estúdio: Filament Games

O jogo funciona como um treinamento de empatia. O público é cuidadores de idosos que trabalham em casas de repouso.

Diversity, Inclusion, and Equity Game

  • Categoria: Ensino Superior
  • Estúdio: E.I. Games LLC

O jogo propõe um treinamento sobre diversidade e inclusão para estudantes e recrutadores de universidades.

Como fazer um serious game?

O desenvolvimento de um serious game é semelhante ao de um jogo digital convencional, por se basear na design bible da indústria dos videogames. O passo a passo abaixo é indicado para quem pensa em desenvolver um jogo sério próprio. Caso você esteja pensando em implantar uma estratégia de gamificação na sua empresa, confira este artigo.

Veja a seguir o passo a passo de como fazer um serious game, a partir da design bible dos jogos eletrônicos:

1. Roteiro

O roteiro é fundamental para um jogo sério alcançar o propósito educacional. Nele devem constar:

  • Elementos de entretenimento;
  • Desafios ao usuário;
  • Tipos e formas de interação;
  • Modo de visualização;
  • Pessoa do jogo (primeira pessoa ou terceira pessoa);
  • Classificação (raciocínio, estratégia, aventura...);
  • Diferencial em relação a outros jogos existentes.

A interferência do usuário do desencadeamento da narrativa é primordial em um serious game. As escolhas que ele faz devem alterar as fases e os desafios e até resultar em um final completamente diferente. Assim ele se torna o protagonista da história e sente-se mais envolvido com as atividades.

2. Game design (conceituação artística)

Consiste no projeto artístico e gráfico do jogo. Além do desenvolvimento do storyboard, são descritas as características dos cenários e feitos os esboços dos personagens. A trilha sonora também entra nesta etapa.

3. Game play (jogabilidade)

As regras e o balanceamento do serious game são definidos nesta etapa. Também são estabelecidos os níveis de dificuldade de cada uma das fases.

4. Interface

É a forma de comunicação entre o jogo e o jogador, que é dividida em dois tipos:

  1. Ingame: interface disponibilizada durante o jogo. Envia dados do jogador para a aplicação e vice-versa.
  2. Outgame: interface de apresentação do jogo, como introdução, instruções e configurações.

5. Desenvolvimento do serious game

Feito o planejamento, é hora de desenvolver o serious games. Isso acontece por duas vias diferentes:

  • Criação artística: elaboração dos elementos que serão usados, como modelos tridimensionais, texturas e sons.
  • Programação: implementação do mecanismo lógico do jogo, que deve ser integrado aos elementos gráficos e as estratégias de controle. É neste momento que é feito o protótipo do jogo.

Estas são as etapas principais para a criação de um serious game. Outras fases podem ser incluídas no processo, dependendo da complexidade do projeto ou do método de desenvolvimento empregado pelo estúdio.

Ao entender o conceito de serious games, você deu o primeiro passo para fortalecer sua carreira no mundo dos jogos. O segundo é se especializar para se destacar neste mercado em acelerado crescimento – e altamente competitivo.

Não perca a chance de aproveitar a alta demanda por estratégias gamificadas no meio corporativo e educacional. Conheça o curso Gamificação, Engajamento e Marketing Digital da Pós PUCPR Digital, indicado para empreendedores, gestores e demais profissionais que trabalham com treinamento de pessoas.

As aulas são 100% online e em primeira pessoa, ministradas por professores referências em suas áreas de atuação, como o pioneiro da gamificação Yu-Kai Chou e o futurologista Jesper Rhode.

sobre o autor

Olívia Baldissera

Jornalista, historiadora e analista de conteúdo da Pós PUCPR Digital.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Próximo conteúdo

Como fazer uma aula gamificada em 5 passos práticos

Apesar do nome, eles podem (e devem) ser divertidos. Descubra o que são os serious games e quais benefícios eles trazem para empresas e escolas

Tempo de leitura

5 min