Skip to content

Tecnologia

O passo a passo do Design Sprint, a metodologia da Google para inovar em projetos

Por Olívia Baldissera   | 

Estocolmo, 2009. 

Jake ia ficar poucos dias na cidade para conhecer o trabalho de Serge e Mikael. Os três tinham uma ideia que ia revolucionar a forma de fazer videochamadas: um software de videoconferências que pudesse ser executado em um navegador web, sem a necessidade de downloads e instalações. 

O tempo de desenvolvimento era curto, mas o protótipo que eles criaram trouxe resultados que impactam as pessoas que participam de reuniões online até hoje. 

O encontro do trio é o momento de criação do Google Hangouts. E também de uma metodologia que transformaria os processos de criação de produtos. 

O passo a passo do Design Sprint começou a ser idealizado naquela viagem a Estocolmo. Seu criador, Jake Knapp, buscava formas de aprimorar as reuniões de brainstorming que aconteciam na Google.

O prazo curto para criar um software ao lado dos engenheiros Serge Lachapelle e Mikael Drugge fez com que Jake percebesse os ingredientes necessários para melhorar as reuniões:

  • Foco no trabalho individual;
  • Tempo para criar um protótipo;
  • Prazo impreterível;
  • Equipe de profissionais com diferentes especialidades.

Aqui você vai aprender o essencial sobre o Design Sprint, metodologia que facilita a vida de todo gestor de projetos.

Este artigo é dividido nos seguintes tópicos: 

  1. O que é Design Sprint 
  2. Quando usar o Design Sprint 
  3. Tipos de Design Sprint 
    3.1 Design Sprint de produto 
    3.2 Design Sprint de processo  
    3.3 Design Sprint de visão 
    3.4 Design Sprint mirando a lua 
  4. O que você precisa para organizar um Design Sprint 
  5. O passo a passo do Design Sprint 
    5.1 Passo 1: entendimento 
    5.2 Passo 2: definição 
    5.3 Passo 3: divergir 
    5.4 Passo 4: decidir 
    5.5 Passo 5: protótipo
    5.6 Passo 6: validação 
  6. Dicas para organizar um bom Design Sprint 

O conteúdo que você vai ver por aqui é um resumo do livro "Sprint: o método usado no Google para testar e aplicar novas ideias em apenas cinco dias" (2017), escrito por Jake Knapp.

Boa leitura!

Inscreva-se na pós-graduação em Gestão de Projetos da Pós PUCPR Digital

O que é Design Sprint

O Design Sprint é um processo único de cinco dias para solucionar questões por meio de protótipos e testes de ideias com clientes. O termo “sprint” faz referência às corridas de alta velocidade de curta duração. 

Ele tem como base outras metodologias já testadas e comprovadas, como: 

  • Brainstorming;
  • Workshop de inovação;
  • Hackathon;
  • Sessão de ideação;
  • Design Thinking.

A metodologia idealizada por Jake Knapp foi desenvolvida em parceria com Braden Kowitz, John Zeratsky e Michael Marlis. A primeira vez em que o Design Sprint foi colocado oficialmente em prática foi em 2012, quando Knapp apresentou o método para o Google Ventures (GV), firma de capital de risco da Google que investe em startups. 

O princípio do Google Sprint é não esperar o lançamento de um MVP (sigla em inglês para “minimum viable product”) para descobrir se uma solução é eficaz. O MVP é uma versão mais simples de um produto, feita com o mínimo de recursos possível para entregar a proposta de valor da ideia. Ele é desenvolvimento em 4 etapas padronizadas:

  1. Ideia da solução;
  2. Construção do produto;
  3. Lançamento;
  4. Aprendizado.

A execução destas etapas pode durar meses. O que o Google Sprint propõe é reduzir este processo para 40 horas de trabalho, concentrando o aprendizado na superfície e na aparência do produto. O aprendizado mais profundo viria depois da validação do protótipo criado no sprint, que pode ser aprimorado ou abandonado, dependendo dos resultados. 

Pode-se dizer que o Google Sprint elimina as etapas de construção e lançamento para criar um atalho entre as etapas da ideia e do aprendizado. 

design-sprint-frameworkFramework do Design Sprint disponibilizado no livro de Jake Knapp. Créditos: Wikimedia Commons.

Quando usar o Design Sprint

O Design Sprint é indicado para 4 situações:

  1. Início de um projeto: o método ajuda a definir o produto que precisa ser desenvolvido para solucionar determinado problema;
  2. Projeto em andamento: o método é indicado para superar obstáculos em alguma etapa de um projeto;
  3. Aceleração de processos: o método dá mais rapidez e agilidade a processos que não precisam sempre envolver a criação de um produto;
  4. Integração de equipes: a metodologia coloca todos os integrantes de um projeto na mesma página.

Tipos de Design Sprint

Ao longo do texto, estamos falando bastante em produto, mas a metodologia do Design Sprint pode ser aplicada para solucionar problemas diversos. 

A gerente de design da Google, Kai Haley, lista quatro tipos principais de sprint. 

1. Design Sprint de produto

A aplicação mais convencional da metodologia. Um sprint de produto pode gerar ideias como:

  • Jornadas de usuários completas;
  • Protótipos para testar ideias de novas funcionalidades;
  • Protótipos clicáveis para testar novos fluxos.

2. Design Sprint de processo

Processos organizacionais podem ser otimizados com a ajuda da metodologia. Ela pode ser usada em diferentes setores de uma organização, do RH ao jurídico, do marketing ao financeiro.

O sprint de processo pode resultar em:

  • Mapas de processo;
  • Mapa de stakeholder para visualizar o ecossistema;
  • Plano de projeto para implantar novo processo.

3. Design Sprint de visão

É um sprint que foca no longo prazo. O objetivo é visualizar o que um produto pode se tornar no futuro, explorando assim desafios e oportunidades mais abrangentes.

O sprint de visão ajuda a escolher ferramentas e materiais necessários para se chegar a este produto futuro.

4. Design Sprint mirando a lua

O objetivo deste sprint é inovar. O time deve reimaginar um produto ou serviço, ou seja, pensar em algo que nunca foi feito antes.

O sprint não necessariamente vai resultar em um produto fechado. Ele pode gerar materiais como:

  • Um esboço de ideias disruptivas;
  • Apresentação em slides com sugestões e soluções para um problema complexo;
  • Vídeo inspiracional apresentando a oportunidade.

O que você precisa para organizar um Design Sprint

Antes de seguir o passo a passo do Design Sprint, é necessário montar a equipe que vai participar do processo. Ela deve contar com representantes de todas as áreas envolvidas no desenvolvimento de um produto, como:

  • Product Manager;
  • Engenheiros;
  • UX/UI Designers;
  • Pesquisadores;
  • Stakeholders.

A escolha do time vai depender do tipo de Design Sprint que você quer organizar. 

Também é importante oferecer os materiais necessários para o Design Sprint. Eles são simples e analógicos, como:

  • Quadro, lousa ou flipchart;
  • Post-it;
  • Papel A3 e A4;
  • Caneta, lápis, borracha e apontadores;
  • Fita adesiva;
  • Adesivos redondos;
  • Relógio.

Por fim, é preciso definir quem vai ser o Sprint Master, responsável por administrar o progresso do Design Sprint. Ele não pode ser um membro do time, pois deve se concentrar na condução do processo. 

No Design Sprint Kit da Google você encontra mais ferramentas interessantes, além de cases da metodologia para se inspirar.

O passo a passo do Design Sprint

Como dissemos antes, o Design Sprint tem duração de 5 dias. As atividades devem ser divididas entre estes dias, de acordo com os seguintes objetivos:

  1. Dia 1 – Unpack: entender o problema que precisa ser solucionado, realizar pesquisas e listar as necessidades;
  2. Dia 2 – Sketch: esboçar ideias de possíveis soluções;
  3. Dia 3 – Decide: escolher uma ideia que será levada para prototipação e teste;
  4. Dia 4 – Prototype: criar um protótipo rápido da ideia escolhida. Ele deve ser o mais parecido possível com o resultado final;
  5. Dia 5 – Test: testar o protótipo com potenciais usuários para validar e invalidar hipóteses.

Os 5 dias de Design Sprint devem contemplar o passo a passo da metodologia, que é:

  1. Entendimento (Understand);
  2. Definição (Define);
  3. Divergir (Diverge);
  4. Decidir (Decide);
  5. Protótipo (Prototype);
  6. Validação (Validate).

A seguir, vamos detalhar cada um dos passos do Design Sprint. Se você quiser se aprofundar ainda mais na metodologia, a Pós PUCPR Digital preparou o curso Gestão de Projetos, Jornada do Cliente e Metodologias Ágeis. 

A especialização conta com uma disciplina totalmente dedicada ao Design Sprint, ministrada pelo próprio Jake Knapp.

jake-knapp-338x380pxJake Knapp é professor convidado da Pós PUCPR Digital.

Passo 1: entendimento

Objetivo: reunir o máximo de informações possíveis sobre o tema do projeto. Os participantes do sprint podem fazer pesquisas com especialistas e entrevistar usuários finais para identificar demandas. Acontece no primeiro dia de sprint. 

Passo 2: definição

Objetivo: escolher qual demanda será trabalhada no Design Sprint. Acontece no segundo dia de sprint. 

  • Ferramentas que podem ser usadas: 
  • Mapa de afinidade 
  • Agile stories 
  • Future press release 

Passo 3: divergir 

Objetivo: idealizar soluções para a demanda selecionada. Acontece no segundo e terceiro dias de sprint. 

Neste passo do Design Sprint, é importante que toda a equipe se sinta à vontade para expressar suas ideias, sem se preocupar com julgamentos. O Sprint Master deve estimular que todos falem, que não guardem ideia alguma para si. 

Passo 4: decidir

Objetivo: escolher a ideia que passará para a etapa de prototipagem. Acontece no terceiro dia de sprint. 

A escolha pode ser feita por votação ou seguindo critérios de valor/dificuldade.  

Passo 5: protótipo

Objetivo: construir protótipos da ideia escolhida. Acontece no quarto dia de sprint. 

Existem diferentes tipos de protótipos que podem ser trabalhos em um Design Sprint. Os principais são: 

  • Protótipos de papel: é um protótipo de baixa fidelidade, sem elementos visuais elaborados. Ele se concentra na interação e jornada do usuário; 
  • Protótipos funcionais: têm alta fidelidade ao produto final. Como demandam mais tempo para serem desenvolvidos, a preocupação com os detalhes da interface fica em segundo plano; 
  • Protótipos físicos: necessários quando se quer avaliar a interação do usuário com produtos materiais. 

Passo 6: validação

Objetivo: validação do protótipo por meio de testes com potenciais usuários. Acontece no último dia de sprint. 

É neste passo do Design Sprint que a equipe decide se a solução que desenvolveram será levada adiante ou abandonada. É nesta fase também que todos os envolvidos avaliam o aprendizado dos últimos 5 dias. 

Dicas para organizar um bom Design Sprint

Agora que você conhece o passo a passo do Design Sprint, está ansioso para colocá-lo em prática? 

Confira algumas dicas para o processo seguir da melhor forma possível:

  • No primeiro dia de sprint, explique para a equipe selecionada como será a dinâmica e o cronograma estabelecido. Abra um intervalo para perguntas que possam surgir. Todos precisam estar na mesma página antes do processo começar;
  • Sempre que for iniciar um exercício, explique o porquê de ela estar sendo feita e dê exemplos. Os objetivos e as etapas do Design Sprint devem ser claros para a equipe;
  • Estabeleça um cronograma realista, que preveja imprevistos e flexibilização do tempo dedicado a cada um dos passos;
  • Reserve períodos do dia para a equipe fazer pausas. É importante levantar alguns minutos da cadeira e tomar um cafezinho para refrescar as ideias.

Lembre-se de que o Design Sprint deve ser prazeroso para a equipe. É importante também recompensá-la ao final do processo. 


Esperamos que este passo a passo do Design Sprint tenha facilitado o seu dia a dia de gestão de projetos. Se quiser ler mais sobre tema, confira este artigo que preparamos sobre o Project Management Office (PMO).

Sobre o autor

Olívia Baldissera

Olívia Baldissera

Jornalista e historiadora. É analista de conteúdo da Pós PUCPR Digital.

Assine nossa newsletter e fique por dentro do nosso conteúdo.

x