09/07/2021 07:00:00

Modelo biopsicossocial: dê adeus à separação entre saúde física e mental

O modelo biopsicossocial mudou tudo o que se entende por saúde mental e física. Descubra o que defende esta abordagem na assistência ao paciente

Tontura, falta de ar, dores pelo corpo. O que parecem sintomas de uma doença causada por alguma infecção muitas vezes podem ser o alerta de um quadro psicossomático. Pelo menos 20% das pessoas atendidas na atenção primária sofrem algum grau de somatização, segundo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) realizado em 15 países, inclusive no Brasil.

A maior compreensão da relação entre o bem-estar psicológico e sintomas físicos veio dos avanços da psicossomática, ciência da saúde interdisciplinar que estuda os efeitos dos fatores sociais e psicológicos sobre os processos orgânicos do corpo de um indivíduo. Ou seja, ela mostra que não existe separação entre a saúde mental e a física.

A partir desta perspectiva, cada vez mais profissionais e instituições de saúde têm adotado o modelo biopsicossocial para ajudar os pacientes, além de ter sido adotado como base para a International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) pela OMS em 2002. Mas o que este termo significa? No que ele difere na forma como os pacientes são atendidos atualmente? Você irá descobrir a seguir.

O que é o modelo biopsicossocial

O modelo biopsicossocial é uma abordagem multidisciplinar que compreende as dimensões biológica, psicológica e social de um indivíduo:

  • Biológico: investigação dos sintomas físicas para entender como a causa da doença pode estar no organismo do paciente. Aborda questões como a saúde física, propensões genéticas e efeito de drogas e medicamentos.
  • Psicológico: investigação das causas psicológicas para um determinado problema de saúde do paciente. Aborda questões como habilidades sociais, relacionamentos familiares, autoestima e saúde mental.
  • Social: investigação de como fatores sociais (aspectos socioeconômicos, culturais e inter-relacionais) podem afetar a saúde do paciente.

A proposta do modelo biopsicossocial é oferecer assistência ao paciente de uma forma holística e não apenas se concentrar no tratamento da doença. Isso envolve uma troca de palavras no vocabulário médico: em vez de “tratar uma doença”, deve-se “cuidar de alguém”. O cuidado acontece por meio de ações integradas de uma equipe de saúde que deve ser composta por especialistas de cada uma das dimensões listadas acima. Alguns exemplos são psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais e sociólogos.

A saúde deixa de ser monopólio uma única especialidade médica, pois o estado de doença passa a ser multifatorial. No modelo biopsicossocial, "saúde” é definida como um estado completo de bem-estar físico, mental e social do indivíduo, mesma concepção empregada pela OMS.

O modelo se originou na medicina psicossomática e ganhou destaque entre os profissionais da saúde em 1977, com a publicação de um artigo científico na Revista Science. Em "The need for a new medical model: a challenge for biomedicine", o psiquiatra George Libman Engel propôs o modelo biopsicossocial no lugar do biomédico, por considerá-lo insuficiente para lidar com as queixas dos pacientes.

A diferença entre o modelo biopsicossocial e o biomédico

Ao contrário do modelo biopsicossocial, o biomédico define "saúde" como ausência de doença, dor ou defeito. Ele se concentra na patologia, bioquímica e fisiologia ao estudar uma doença, sem considerar aspectos sociais ou de subjetividade. O médico é o protagonista do sistema, que é altamente especializado, fragmentado e hospitalocêntrico.

Outra característica marcante é a separação entre corpo e mente, como se o estado de um não impactasse o outro. Apesar das críticas existentes ao modelo biomédico, ele é o predominante nos sistemas públicos e privados de saúde.

Qual a importância do modelo biopsicossocial para o cuidado em saúde?

Antes de falar mais sobre o modelo biopsicossocial, é necessário definir o que se entende por “cuidado em saúde”. A expressão se refere ao tratar, respeitar, acolher e atender o ser humano em sofrimento, com qualidade e resolutividade de suas queixas. O cuidado já começa na atenção básica, que abrange também o atendimento de questões de saúde mental.

Uma perspectiva holística auxilia na oferta de uma assistência humanizada, que coloca o paciente no centro do atendimento. Na prática, os profissionais de saúde que adotam o modelo biopsicossocial devem desenvolver as seguintes habilidades:

  • Comunicação: o profissional deve criar um vínculo adequado com o paciente, demonstrando que seus problemas e preocupações são compreendidos. Isso inclui expressões, gestos, contato visual e postura.
  • Escuta: o profissional de saúde deve ouvir o paciente de forma ativa e, quando necessário, corrigir de forma assertiva concepções distorcidas sobre corpo, saúde e doença.
  • Didática: o profissional de saúde deve sempre explicar procedimentos, diagnósticos e tratamentos dentro do campo de compreensão do paciente – deve-se evitar jargões e termos técnicos. A equipe médica é considerada uma fonte de informações confiáveis para o paciente.

No contato com o paciente, o modelo biopsicossocial pressupõe algumas boas práticas que devem ser seguidas por todos os profissionais de saúde.

  1. É preciso manter a mente aberta e não se deixar influenciar por imagens prévios ou preconceitos;
  2. Leve em consideração que toda consulta gera alguma ansiedade ou tensão. Isso faz com que o indivíduo entre no consultório com a guarda levantada. O profissional de saúde deve tentar quebrar esta barreira para que o paciente expresse suas queixas da melhor maneira possível;
  3. As perguntas que serão feitas ao paciente dependem do objetivo que o profissional de saúde pretende alcançar. Mas a forma de se perguntar é importante: o ideal é começar com perguntas que receberão respostas mais amplas e finalizar com assuntos mais específicos;
  4. Evite fazer perguntas que terão respostas monossilábicas, pois elas não trarão respostas significativas para o acompanhamento e tratamento do paciente. Por exemplo, não pergunte se a pessoa está informada sobre a doença que ela tem, mas quais informações ela tem sobre sua condição;
  5. Explique ao paciente por que as perguntas sobre a vida pessoal são importantes;
  6. Lembre-se de que não existe um único jeito correto de conversar com paciente. Faça seu roteiro de entrevista de acordo com o seu estilo. O mais importante é que a pessoa se sinta acolhida.

O modelo biopsicossocial e a saúde mental

A saúde mental ganhou mais atenção nos últimos anos com a promoção do modelo biopsicossocial em universidades e instituições de saúde do sistema público e privado. Por isso profissionais de saúde especializados no assunto são cada vez mais valorizados no mercado. A pós-graduação oferece conhecimento atualizado para ajudar pacientes de uma forma realmente significativa, a partir da promoção de ações de intervenção em diferentes contextos.

Para profissionais de saúde e assistentes sociais que desejam especializar-se na área, a Pós PUCPR Digital desenvolveu o curso Saúde Mental e Desenvolvimento Humano. Todas as aulas são online e em primeira pessoa, com professores referência em suas áreas de atuação.

Quero fazer a pós em Saúde Mental e Desenvolvimento Humano

sobre o autor

Olívia Baldissera

Analista de conteúdo da Pós PUCPR Digital. Jornalista e historiadora apaixonada pelo estudo.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Próximo conteúdo

3 lições de Regina Navarro Lins sobre gênero e saúde mental

O modelo biopsicossocial mudou tudo o que se entende por saúde mental e física. Descubra o que defende esta abordagem na assistência ao paciente

Tempo de leitura

4 min